6 de agosto de 2012

“Se importar”


Expressão pesada, não acha? Eu acho. Enrola a língua pra falar, perfura o peito, faz engolir a seco.
Não é que poucas pessoas se importam hoje em dia, é que poucas demonstram isso. É porque na nossa concepção, se importar é querer ficar sempre perto, é sinônimo de cuidado.
Mas você acha que alguém que não consegue passar um dia sequer sem pensar naquela pessoa amada, não se importa? Você acha que colar os ouvidos no telefone esperando que ele toque seja não se importar? Acha que andar por ai na esperança de numa esquina qualquer encontrar aquela pessoa, é não se importar? É se importar disfarçado; mas se importa.
E se importar dói muito, mais do que o peso de dizer a expressão.
É complicado querer estar no controle da vida de outra pessoa. Querer saber sempre por onde ela anda, com quem fala, se ama outra pessoa. Se importar disfarçado de curiosidade. E sabe o que é ainda mais complicado? Reconhecer que perdemos esse direito. Se eu te deixei ir, se você foi porque quis, que diferença isso faz?
Isso importa?
O que importa é que você já esperou por aquela ligação que nunca veio (então porque você mesmo não ligou?). E que por vezes você submeteu todos os seus atos aquela pessoa. Preocupado com o que ela vai achar das suas decisões; esperando que o que você fale um dia chegue a ela. E você ainda tem coragem de dizer que não se importa!
Porque se importar, machuca. Porque se importar deixa as coisas mais complexas, deixa o processo de desatrelamento bem mais lento.
Mas se você quer saber o que é não se importar, aí vai: não se importar é não se preocupar. É não pensar, não lembrar. Não guardar – nem presentes, nem lembranças, nem magoas, nem raiva. Não se importar é saber exatamente o que fazer caso encontre aquela pessoa andando na rua. E não sentir vontade de olhar pra trás ao virar a esquina; e nem olhar pro celular pra conferir se tem ligação perdida. E finalmente, não se importar é parar de falar que não se importa, porque na verdade, até de falar você já se esqueceu.

(Raphaela Fagionato)


Nenhum comentário:

Postar um comentário